CONTOS DE RÉIS

Posted by admin on mar 7, 2014 in + LITERATURA, - BRASILEIRA, - CONTOS |
SAM_4143

DISPONÍVEL

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Livro de ROBERTO SATURNINO BRAGA.

“O encanto e a graça atributos próprios da existência, estão sempre a permear nossas vidas, cultivando, fecundando, e criando prazeres, para o mais puro deleite que possa ser ofertado para nós, pobres mortais.

Em Contos de réis , dadiva ofertada pelo mestre Saturnino, nos envolvemos de tal maneira que temos a sensação de ser, também, um personagem dos contos.

Não só a sensação, mas acima de tudo a emoção, que aumenta a medida do desenrolar das histórias, fazendo refluir com a mais pura honestidade nossos sentimentos que, ao reviverem o tempo, trazem momentos da surpresa, de alegria, de tensão, de reflexão, de desalento, e também de afloramento do amor, da ternura, do afeto… sem tempo perdido, mas todo tempo ganho.

Tecendo cuidadosamente o enredo de cada tema abordado e bordado, se vê em cada ponto alinhavado a sensibilidade aguçada de Saturnino, sua enorme riqueza no aprimoramento dos detalhes das tramas construídas e no arremate primoroso que leva ao gozo no desfecho.

A perspicácia no descrever dos personagens se dá de tal modo que permite não só visualizarmos todos eles em sua inteireza, como também compartilhamos de sua intimidade, encontrando o conhecido e o surpreendente nos relatos dessas vidas, numa mostra clara de afirmação do talento do autor.

O Rio de Janeiro é cenário contante. Ora como em décadas passadas, em que suas ruas-espaços tinham o seu uso e ocupação entregues à meninada, como concessão do direito de usufruto, com as janelas das casa como escotilhas, que permitem olhar profundo nas observações curiosas da vizinhança.

Ora na sua volúpia de cidade grande, palco de amores e dissabores.

As imagens captadas das vivências de seus moradores trazem, para quem conhece a cidade e nela viveu, a impressão de que, de repente, numa esquina, vai esbarrar com Saturnino, espiando e aprendendo tudo, quase um Palomar de Ítalo Calvino, um telescópio com sua objetiva ajustada e ofuscada e focada nas ruas da Cidade Maravilhosa.

Nessas lentes, um verdadeiro tesouro registrado se abre em revelações recriadas do autor, que tem a propriedade de nos levar com imponência e leveza ao prazer da descoberta de nossa própria essência.

Foi muito bom em Contos de réis sentir que devemos viver o presente sem pressa e criar um futuro deliciosamente cheio de esperanças, e mais ainda, esperando o próximo livro de Saturnino. Por enquanto, muito obrigado pelo tempo desfrutado lendo Conto de réis.” ELIOMAR COELHO

Editora RECORD.

270 PÁGINAS.

Reply