0

CONVITE À FILOSOFIA

DISPONÍVEL

Livro de MARILENA CHAUI.

Um exuberante exercício do pensamento, que fomenta a reflexão crítica e lança um facho de luz sobre questões do dia-a-dia, realçando seu caráter histórico e ampliando os horizontes do leitor – eis o alcance deste livro. Mais que reformulada, Convite à Filosofia é uma obra que utiliza o próprio instrumental filosófico para atualizar conceitos e fazer uma releitura dialética do mundo por uma das mais consistentes intelectuais do país. De suas páginas emergem os grandes temas da discussão filosófica, como Razão, Verdade, Conhecimento, Ciência, Ética, Política, Arte, Técnica, Religião, Metafísica, História, Lógica. Fazendo da Filosofia um combate, a autora contempla na obra questões relacionadas à cidadania, à democracia, aos direitos humanos, às novas tecnologias e às posturas éticas de seu tempo, sempre com rigor e coragem. Considerada uma das principais representantes do pensamento crítico de nosso país, Marilena Chaui recebeu em 2003 o título de doutora honoris causa da Universidade de Paris. Foi a primeira brasileira a receber esse título. A obra está estruturada em Unidades e Capítulos divididos em itens que permitem ao professor e ao aluno acompanhar o desenvolvimento de cada tema.

Editora ÁTICA.

440 páginas.

Tags:,

 
0

REBELIÃO ESCRAVA NO BRASIL – LEVANTE DOS MALÊS (1835)

Posted by admin on fev 24, 2011 in + BRASIL, + HISTÓRIA

DISPONÍVEL

Livro de JOÃO JOSÉ REIS.

A história da revolta dos negros muçulmanos que, na Bahia do século XIX, pretendiam abolir a escravidão africana. A imbricação entre religião e identidade étnica é o argumento central do livro, um clássico sobre os estudos da história dos negros no Brasil, publicado originalmente em 1986. Reedição revista e ampliada, com cerca de oitenta imagens de época.

Editora BRASILIENSE.

293 páginas.

Tags:, , , , ,

 
0

1822

Posted by admin on fev 2, 2011 in + BRASIL, + HISTÓRIA

DISPONÍVEL

Livro de LAURENTINO GOMES.

Quem observasse o Brasil em 1822 teria razões de sobra para duvidar de sua viabilidade como nação independente e soberana. De cada três brasileiros, dois eram escravos, negros forros, mulatos, índios ou mestiços. Era uma população pobre e carente de tudo, que vivia à margem de qualquer oportunidade em uma economia agrária e rudimentar, dominada pelo latifúndio e pelo tráfico negreiro. O medo de uma rebelião dos cativos tirava o sono da minoria branca. O analfabetismo era geral. De cada dez pessoas, só uma sabia ler e escrever. Os ricos eram poucos e, com raras exceções, ignorantes. O isolamento e as rivalidades entre as diversas províncias prenunciavam uma guerra civil, que poderia resultar na fragmentação territorial, a exemplo do que já ocorria nas colônias espanholas vizinhas. Para piorar a situação, ao voltar para Portugal, no ano anterior, o rei D. João VI, havia raspado os cofres nacionais. O novo país nascia falido. Faltavam dinheiro, soldados, navios, armas ou munição para sustentar uma guerra contra os portugueses, que se prenunciava longa e sangrenta. As perspectivas de fracasso, portanto, pareciam bem maiores do que as de sucesso. Nesta nova obra, o escritor Laurentino Gomes mostra como o Brasil, que tinha tudo para dar errado, deu certo em 1822 por uma notável combinação de sorte, improvisação, acasos e também de sabedoria das lideranças responsáveis pela condução dos destinos do novo país, naquele momento de grandes sonhos e muitos perigos.

Editora NOVA FRONTEIRA.

328 páginas.

Tags:,

 
0

NÁUFRAGOS, TRAFICANTES E DEGREGADOS

Posted by admin on jan 17, 2011 in + AMÉRICA LATINA, + BRASIL, + HISTÓRIA

DISPONÍVEL

Livro de EDUARDO BUENO.

‘Náufragos, traficantes e degredados’, de Eduardo Bueno, revela, com dramaticidade e riqueza de detalhes, um dos períodos mais empolgantes, porém menos abordados, da nossa história – as primeiras expedições ao Brasil, que ocorreram em seguida à descoberta, de 1500 a 1531. Eduardo Bueno fez uma pesquisa minuciosa em documentos de época, como os diários de bordo, relatos de viagem e fragmentos de cartas, para reconstituir, com precisão e vivacidade, a incrível saga enfrentada pelos primeiros homens brancos que viveram no país. Os que vieram parar nas praias brasileiras pelo acaso de um naufrágio, os que chegaram nas primeiras missões de exploração, os condenados ao degredo e os que simplesmente decidiram ficar no Brasil por livre e espontânea vontade. Conhecer a história desses homens – vários deles casados com as filhas dos principais chefes indígenas, exercendo importante papel na tribo e intermediando o comércio com as potências européias – é indispensável para se entender os rumos do futuro país. Nessa galeria de personagens extraordinárias, figuras-chave na ocupação e colonização do Brasil, vamos encontrar, além do mitológico Caramuru e de João Ramalho, outros bem menos conhecidos, como o misterioso Bacharel de Cananéia, primeiro grande traficante de escravos do Brasil; o grumete Francisco del Puerto, que viveu 14 anos entre os nativos do Prata e depois traiu os europeus, ou o intrépido Aleixo Garcia, que em 1524 marchou de Santa Catarina, com um exército particular de dois mil índios, para atacar as cidades limítrofes do Império Inca. Ao resgatar o papel desempenhado por estes, que podemos considerar os primeiros brasileiros, Bueno ilumina as três décadas esquecidas de nossa história oficial, período em que, entre outros fatos de grande destaque, o Brasil adquiriu seu nome e serviu de modelo para ‘A Utopia’, de Thomas Morus.

Editora OBJETIVA.

200 páginas.

Tags:, ,

 
0

1808

Posted by admin on jan 16, 2011 in + BRASIL, + FAMÍLIA REAL, + HISTÓRIA, + LITERATURA, - BRASILEIRA

DISPONÍVEL

Livro de LAURENTINO GOMES.

Guerras napoleônicas, revoluções republicanas, escravidão formaram o caldo no qual se deu a mudança da corte portuguesa e sua instalação no Brasil.
O propósito deste maravilhoso livro, resultado de dez anos de investigação jornalística, é resgatar e contar de forma acessível a história da corte lusitana no Brasil e tentar devolver seus protagonistas à dimensão mais correta possível dos papéis que desempenharam duzentos anos atrás.
Escrito por um dos mais influentes jornalistas da atualidade, 1808 é o relato real e definitivo sobre um dos principais momentos da história brasileira.

Editora PLANETA.

414 páginas.

Tags:,

 
0

O SERTÃO E A CIDADE – O SERTÃO DE GUIMARÃES ROSA 50 ANOS DEPOIS

Posted by admin on jan 15, 2011 in + HISTÓRIA, + LITERATURA, - BRASILEIRA, - CRÍTICA

DISPONÍVEL

Livro de ÁLVARO ANDRADE GARCIA.

O ano de 2006 marca meio século da publicação de Grande sertão: veredas, romance que consagrou Guimarães Rosa e seu relato da guerra entre bandos de jagunços no sertão de Minas. O que aconteceu na região nesses cinquenta anos?
Essa pergunta foi o ponto de partida do projeto www.sertoes.art.br, que atualiza informações sobre o noroeste de Minas Gerais. Para responder a ela, Álvaro Andrade Garcia e sua equipe visitaram a história já contada em livros e filmes e ouviram aqueles que participam da história contemporânea. O que encontraram foi um sertão bem diferente daquele retratado por Rosa. Um sertão em tempos de globalização, que traz muitas questões para nós, brasileiros dos anos 2000.
O projeto busca estimular a reflexão e a geração de respostas para os problemas atuais.

Editora PETRÓPOLIS.

45 páginas.

Tags:,

 
0

CORES E FORMAS – A SEGUNDA METADE DO SÉCULO XX

DISPONÍVEL

Livro de NEREIDE SCHILARO SANTA ROSA.

A autora, Nereide Schilaro Santa Rosa, escreve especialmente para o público infanto-juvenil sobre os fatos mais marcantes da arte brasileira, e assim mostra, em linguagem clara, a evolução da cultura artística no país. Na coleção, editada em seis volumes, apresenta a obra dos artistas viajantes pelo Brasil entre os séculos XVII e XIX. A Academia Imperial de Belas Artes e os maiores artistas do século XIX; o Modermismo e o nascimento de um movimento genuinamente brasileiro; a grandeza do Abstracionismo; o requinte da arte barroca em nosso país e a importância da arte popular brasileira para o conhecimento da nossa cultura.

Editora PINAKOTHEKE.

31 páginas.

Tags:,

 
0

CIDADES E FLORESTAS – OS ARTISTAS VIAJANTES ENTRE OS SÉCULOS XVII E XIX

DISPONÍVEL

Livro de NEREIDE SCHILARO SANTA ROSA.

A autora, Nereide Schilaro Santa Rosa, escreve especialmente para o público infanto-juvenil sobre os fatos mais marcantes da arte brasileira, e assim mostra, em linguagem clara, a evolução da cultura artística no país. Na coleção, editada em seis volumes, apresenta a obra dos artistas viajantes pelo Brasil entre os séculos XVII e XIX. A Academia Imperial de Belas Artes e os maiores artistas do século XIX; o Modermismo e o nascimento de um movimento genuinamente brasileiro; a grandeza do Abstracionismo; o requinte da arte barroca em nosso país e a importância da arte popular brasileira para o conhecimento da nossa cultura.

Editora PINAKOTHEKE.

31 páginas.

Tags:,

 
0

SONHOS E REALIDADE – A PRIMEIRA METADE DO SÉCULO XX

DISPONÍVEL

Livro de NEREIDE SCHILARO SANTA ROSA.

A autora, Nereide Schilaro Santa Rosa, escreve especialmente para o público infanto-juvenil sobre os fatos mais marcantes da arte brasileira, e assim mostra, em linguagem clara, a evolução da cultura artística no país. Na coleção, editada em seis volumes, apresenta a obra dos artistas viajantes pelo Brasil entre os séculos XVII e XIX. A Academia Imperial de Belas Artes e os maiores artistas do século XIX; o Modermismo e o nascimento de um movimento genuinamente brasileiro; a grandeza do Abstracionismo; o requinte da arte barroca em nosso país e a importância da arte popular brasileira para o conhecimento da nossa cultura.

Editora PINAKOTHEKE.

31 páginas.

Tags:,

 
0

ABC DO MUNDO ÁRABE

Posted by admin on jan 5, 2011 in + HISTÓRIA, + INFANTO-JUVENIL, + LITERATURA

DISPONÍVEL

Livro de PAULO DANIEL FARAH.

Os árabes estiveram na Europa, na Ásia e na África. Por isso, milhares de palavras portuguesas e espanholas são de origem árabe. O mundo todo herdou da cultura árabe conhecimentos de aritmética, arquitetura, agricultura, medicina, astronomia, filosofia e literatura. E uma boa maneira de começar a entender e aprender essa cultura é com este ABC.

Editora SM.

48 páginas.

Tags:,