0

O MODERNISMO BRASILEIRO E A LÍNGUA PORTUGUESA

SAM_4201

DISPONÍVEL

Livro de LUIZ CARLOS LESSA.

“Estudo magistral sobre a língua literária do Modernismo (…) Só há que aplaudir trabalhos dessa natureza, que mostrarão a evolução da nossa fala e da nossa escrita” . Afrânio Coutinho

“O Modernismo Brasileiro e a Língua Portuguesa é obra que deve figurar na estante de todo estudioso, seja aluno ou mestre, que se interesse por assuntos de linguagem e, especialmente, pela língua portuguesa desta parte do continente americano”. Ismael de Lima Coutinho

“Livro que, além de todos os seus méritos intrínsecos (…) vem aumentar com autoridade as correntes dos novos filólogos que nos reconhecem (aos modernistas) direito de cidadania”. Raquel de Queirós.

Editora GRIFO.

2ª edição, 1976.

336 páginas.

 
0

ANTOLOGIA POÉTICA – POESIA LIVRE – CONCURSO NACIONAL 2013

Posted by admin on mar 15, 2014 in + LITERATURA, - BRASILEIRA, - POEMA
SAM_4169

DISPONÍVEL

Livro Organizado e Apresentado por ISAAC ALMEIDA RAMOS.

O Concurso Nacional Novos Poetas, Prêmio Poesia Livre, em sua edição 2013, é o resultado da união de esforços. O intercâmbio de pessoas unidas numa mesma sintonia, a poesia. Uma valiosa obra que é mais que uma Antologia Poética, é o registro do momento fecundo em que vive a poesia brasileira. Poesia diversa e livre, sem rótulos ou censuras. Poesia legítima como deve ser, a diversidade da poesia, a diversidade do homem. Na obra, a reunião criteriosa de poesias, seleção orientada pelos princípios da originalidade e linguagem poética. A maioridade da poesia brasileira, Antologia Poética, Prêmio Poesia Livre 2013. Na poesia coletiva, a surpresa da nova poesia, os sentimentos de inquietação, o encontro do eu, a ausência do outro, pedaços do poeta. Sentimentos em exposição. Nos é permitida a contemplação da vida do homem, as gentes, a gana a seriedade. As temáticas variam, as formas variam, mas encontram o mesmo quilate em sentimentos. Ora aliada, ora inimiga, a poesia se contrapõe, numa ganga material onde formam-se as ideias e cada uma delas tem dupla face.

Editora VIVARA.

337 páginas.

 
0

SANTOS E CANALHAS – UMA ANÁLISE ANTROPOLÓGICA DA OBRA DE NELSON RODRIGUES

SAM_4152

DISPONÍVEL

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Livro de ADRIANA FACINA.

SANTOS  CANALHAS é um instigante livro sobre o Brasil. A partir da obra de Nelson Rodrigues, particularmente do teatro, Adriana Facina realizou fascinante pesquisa, em que focaliza, nas peças do autor, entre outros temas, as problemáticas da cidade e da família. Para isso, mergulhou no universo rodriguiano, fez entrevistas e assenhorou-se de quase tudo do que já foi escrito sobre esse grande escritor. Mostra como, ao lidar com transgressões, tabus e desvios, Nelson Rodrigues tornou-se foco de polêmicas, às vezes, bastante violentas. Assim, Adriana preocupa-se em localizar Nelson Rodrigues no campo intelectual de sua época sem reduzir o significado de sua obra a explicações sociológicas mecânicas e lineares.

A autora, no desenvolvimento de seu trabalho, analisa a visão de Nelson Rodrigues sobre a cidade, particularmente do Rio de Janeiro. Trata-se de uma efetiva contribuição à Antropologia Urbana, apresentando as trilhas, áreas e mapas significativos na obra examinada. No que toca à temática de família e parentesco, faz aproximações entre o teatrólogo e o seu conterrâneo Gilberto Freyre. Essa aproximação entre os dois escritores, um através de seu teatro e o outro através de seu teatro e o outro através de sua sociologia, constitui uma contribuição rica e original para a história da literatura e do pensamento social brasileiro. A questão do incesto, sem dúvida, é um dos focos centrais da temática mais ampla, iluminando as complexas relações entre gerações e gêneros.

Certamente, um dos aspectos mais fascinantes a obra de Nelson Rodrigues, em particular do seu teatro, é o que se relaciona à natureza do mal e do pecado. Adriana Fascina aponta não só para isso como desenvolve uma reflexão importante, mostrando a dimensão Romântica e suas dramáticas ambiguidades em relação à temática amorosa presente, de modo marcante, nas peças examinadas. Com isso, além de situar Nelson Rodrigues dentro do panorama da cultura brasileira, constrói pontes para uma problemática mais universal e abrangente.

Portanto, SANTOS E CANALHAS é um livro de interesse não só para os rodriguianos mas para todos os leitores preocupados com as complexas relações entre Literatura e Sociedade e com uma Antropologia das Sociedades Complexas.

Editora CIVILIZAÇÃO BRASILEIRA.

332 páginas.

 
0

CONTOS DE RÉIS

Posted by admin on mar 7, 2014 in + LITERATURA, - BRASILEIRA, - CONTOS
SAM_4143

DISPONÍVEL

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Livro de ROBERTO SATURNINO BRAGA.

“O encanto e a graça atributos próprios da existência, estão sempre a permear nossas vidas, cultivando, fecundando, e criando prazeres, para o mais puro deleite que possa ser ofertado para nós, pobres mortais.

Em Contos de réis , dadiva ofertada pelo mestre Saturnino, nos envolvemos de tal maneira que temos a sensação de ser, também, um personagem dos contos.

Não só a sensação, mas acima de tudo a emoção, que aumenta a medida do desenrolar das histórias, fazendo refluir com a mais pura honestidade nossos sentimentos que, ao reviverem o tempo, trazem momentos da surpresa, de alegria, de tensão, de reflexão, de desalento, e também de afloramento do amor, da ternura, do afeto… sem tempo perdido, mas todo tempo ganho.

Tecendo cuidadosamente o enredo de cada tema abordado e bordado, se vê em cada ponto alinhavado a sensibilidade aguçada de Saturnino, sua enorme riqueza no aprimoramento dos detalhes das tramas construídas e no arremate primoroso que leva ao gozo no desfecho.

A perspicácia no descrever dos personagens se dá de tal modo que permite não só visualizarmos todos eles em sua inteireza, como também compartilhamos de sua intimidade, encontrando o conhecido e o surpreendente nos relatos dessas vidas, numa mostra clara de afirmação do talento do autor.

O Rio de Janeiro é cenário contante. Ora como em décadas passadas, em que suas ruas-espaços tinham o seu uso e ocupação entregues à meninada, como concessão do direito de usufruto, com as janelas das casa como escotilhas, que permitem olhar profundo nas observações curiosas da vizinhança.

Ora na sua volúpia de cidade grande, palco de amores e dissabores.

As imagens captadas das vivências de seus moradores trazem, para quem conhece a cidade e nela viveu, a impressão de que, de repente, numa esquina, vai esbarrar com Saturnino, espiando e aprendendo tudo, quase um Palomar de Ítalo Calvino, um telescópio com sua objetiva ajustada e ofuscada e focada nas ruas da Cidade Maravilhosa.

Nessas lentes, um verdadeiro tesouro registrado se abre em revelações recriadas do autor, que tem a propriedade de nos levar com imponência e leveza ao prazer da descoberta de nossa própria essência.

Foi muito bom em Contos de réis sentir que devemos viver o presente sem pressa e criar um futuro deliciosamente cheio de esperanças, e mais ainda, esperando o próximo livro de Saturnino. Por enquanto, muito obrigado pelo tempo desfrutado lendo Conto de réis.” ELIOMAR COELHO

Editora RECORD.

270 PÁGINAS.

 
0

O ROTEIRISTA – UMA FÁBULA VULGAR

Posted by admin on mar 7, 2014 in + FICÇÃO, + LITERATURA, - BRASILEIRA
SAM_4142

DISPONÍVEL

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Livro de VINÍCIUS PINHEIRO.

Por um lado, Franco é a personificação do fracasso. Ele é jovem, mas não tem perspectivas. É culto, mas não tem grana. Mora com a namorada, mas só consegue ser fiel a si próprio. Jurou jamais assistir a filmes americanos, mas é incapaz até mesmo de cumprir uma promessa estúpida como essa. Ele estuda cinema, mas é balconista numa farmácia. Só que tem o outro lado.

Franco é também uma lenda viva na faculdade de cinema onde estuda, invejado pelos alunos e admirado pelos professores, apesar de seus desempenho medíocre. Como isso é possível? Muito simples: ele é autor do Roteiro, a obra-prima visionária que vai revolucionar o cinema com inovações narrativas nunca antes imaginadas. Todos querem participar do projeto. A universidade até se dispõe de financiar o filme. franco se torna uma celebridade local por conta disso. Não há quem duvide do êxito internacional e histórico que o longa-metragem terá. O único problema é: ninguém nunca viu o tal Roteiro.

A trama por trás de O ROTEIRISTA é um grande engodo. afinal, é uma história sobre a história que não existe. E é justamente essa impossibilidade de criação que move os personagens, faz as situações se tornarem absurdas a ponto de o próprio leitor achar que está sendo ludibriado. E está mesmo. Vinícius Pinheiro quer isso e revela um humor refinado para desconstruir a cada capítulo os conflitos e anseios de mais uma geração perdida.

 
0

ANACOLUTO DO PRINCÍPIO AO FIM

Posted by admin on mar 6, 2014 in + LITERATURA, + ROMANCE, - BRASILEIRA
SAM_4139

DISPONÍVEL

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Livro de WALTER GALVANI.

Se um nome faz o destino, o que restaria a alguém chamado Anacoluto? Ele recebeu o nome e nem pode opinar. Logo ele que nunca foi bom em português, acabou batizado por uma figura de sintaxe. Ironias da vida. Anacoluto é tão estranho que não permite se desdobrar em apelido. Ninguém poderia chama-lo de ‘Anaco’ ou ‘Luto’, que soaria mal. Será que o sofrimento começa no cartório?

Quem é esse senhor Anacoluto que surge absolutamente real e fabuloso na história de Walter Galvani? A partir de um único homem e suas mulheres, o premiado escritor da Nau capitânia faz a biografia do nosso mundo, de nossos últimos cinquenta anos. Nosso e dele, do Anacoluto, do escritor e dos leitores. Depois de batizado, ele avança e recua, pelo caminho esbara na perfeição sobre a terra na figura de Rosa Pigafé e o se pai misterioso e pleno de poderes, prepotente e machista. Mas também se descobre imperfeito como todos os humanos, e atravessa a vida quase sem se sacrificar no trabalho… arrancando seu sustento da terra sem nem mesmo saber como.

Pelo caminho discute futebol, religião, política e economia, e participa de momentos fundamentais dos últimos cinquenta anos até se preparar para pingar o ponto final em sua autobiografia, que lhe escapa ao controle.

Narrado em primeira pessoa, este romance de Walter Galvani disseca as dolorosas consequências de uma terrível doença degenerativa, investiga as relações humanas, constrói uma inacreditável figura de mulher e desvenda alguns segredos do Pampa, onde o personagem nasceu e onde se desenrola boa parte da história.

Editora RECORD.

255 páginas.

 
0

SUJEITO OCULTO E DEMAIS GRAÇAS DO AMOR

Posted by admin on mar 6, 2014 in + LITERATURA, + ROMANCE, - BRASILEIRA

SAM_4138

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Livro de LUCIANA PINSKY.

“A certa altura de O sujeito oculto, diz a personagem: ‘Escrevo. Escrevo e leio. E essa é a minha vida. Confesso que gosto dela.’

O leitor também vai gostar dessa vida – das vidas que se cruzam em Sujeito oculto. ‘Vai gostar’ é pouco. O leitor vai amar. O que temos aqui é mais que um texto de ficção, é um retrato de muitos jovens de nossa classe média, dessa classe média que hoje se constitui na espinha dorsal do Brasil.

São jovens cultos, informados, sofisticados, capazes de interpretar seus sentimentos, capazes de pensar sobre suas vidas. Capazes, sobretudo de ler e escrever, de traduzir a existência em palavras. Em Sujeito oculto, vida e texto se combinam de maneira soberba. Os dois personagens principais, Francisco e Jussara, são absolutamente paradigmáticos. Com eles a identificação é imediata, um caso de amor à primeira vista.

O fascinante neste texto é que a relação dos dois é mediada pela ficção, por narrativas dentro da narrativa: ‘Por horas falavam dos textos, das sensações, das possibilidades da palavra escrita. E era quanto mais próximos estavam. ‘Mais próximos entre si e mais próximos do leitor, que se sentirá fisgado por uma ficção que flui numa linguagem ágil, atual, pontilhada de diálogos vívidos, não raro muito comoventes, não raro extremamente bem-humorados – um humor fino, irresistível, que nos faz sorrir a cada página.

Em suma, estamos diante de uma verdadeira revelação. E mais surpreendidos ficamos ao saber que este é o livro de estreia da autora. Luciana Pinsky é jornalista de formação, fez parte da redação da revista Época e atualmente trabalha como editora. O seu notável domínio do texto é, assim, em parte explicável. Mas só em parte. O resto é talento puro, um talento que emerge com raro vigor e que o Brasil logo estará aplaudindo” Moacyr Scliar

Editora RECORDA.

95 páginas.

 
0

ESSENCIAL

Posted by admin on fev 27, 2014 in + LITERATURA, - BRASILEIRA, - CLÁSSICOS
SAM_3879

DISPONÍVEL


 

 

 

 

 

 

Livro de JORGE AMADO. Seleção e Prefácio de ALBERTO DA COSTA E SILVA.

Este Essencial traz o texto completo da novela A morte e a morte de Quincas Berro Dágua, além de trechos de outros livros importantes de Jorge Amado, como Capitães de Areia; Gabriela, cavo e canela; Dona Flor e seus dois maridos; Tenda dos Milagres; Tocaia Grande e Jubiabá com textos selecionados por uma das maiores autoridades da ora de Amado, o historiados Alberto da Costa e Silva, este volume inclui ainda reportagens e contos que revelam o lado literário menos conhecido do grande escritor baiano.

Autor de cerca de quarenta livros, Jorge Amado foi o mais influente escritor brasileiro do século XX. Largamente traduzido no exterior, ele criou personagens que ganharam o imagiário brasileiro, como Dona Flor, Gabriela e Tieta. Já em 1945, Antônio Cândido escrevia sobre ele: “Na nossa literatura moderna, o sr. Jorge Amado é o maior romancista do amor, força de carne e de sangue que arrasta os seus personagens para um extraordinário clima lírico. Amor dos ricos e dos pobres; amor dos pretos, dos operários, que antes não tinha estado de literatura senão edulcorado pelo bucolismo ou bestializado pelos naturalistas”.

Diplomata, poeta, ex-presidente da Academia Brasileira de Letras, Alberto da Costa e Silva também assina o prefácio e as introduções que contextualizam cada trecho, e que fazem deste Essencial um volume que enfeixa os momentos decisivos da literatura de Jorge Amado.

EDITORA PENGUIN COMPANHIA DAS LETRAS

440 pág.

2010

 
0

O AMOR É PARA OS FORTES

Posted by admin on fev 26, 2012 in + ESPIRITISMO, + LITERATURA, + PSICOGRAFIA, + RELIGIÃO, + ROMANCE, - BRASILEIRA

DISPONÍVEL

Livro de MARCELO CEZAR (pelo espírito de Marco Aurélio).

Muitos de nós, perdidos nas ilusões afetivas e sedentos de intimidade, buscamos a relação perfeita. Este romance nos mostra que não existe a relação perfeita, e sim, a relação possível. E é nessa relação possível que a alma vive as expectativas mais sublimes, decifra os mistérios do coração e entende que o amor é destinado somente para os fortes.

Editora CENTRO DE ESTUDOS VIDA & CONSCIÊNCIA.

338 páginas.

 
0

DIÁLOGO COM UM EXECUTOR

Posted by admin on fev 26, 2012 in + ESPIRITISMO, + LITERATURA, + PSICOGRAFIA, + RELIGIÃO, + ROMANCE, - BRASILEIRA

DISPONÍVEL

Livro de RUBENS SARACENI (ditado pelo espírito de Mário Ventura).

Diálogo com um Executor traz um diálogo aberto entre o autor espiritual, Mário Ventura, e o médium Rubens Saraceni, que mostra um quadro geral de como se desenrolou a queda do espírito Mário, seu suplício e seu resgate no mundo dos espíritos.

Editora MADRAS.

115 páginas.